Páginas

terça-feira, 22 de maio de 2012

Confira a trajetória de Carlinhos Bala



Aos 32 anos, a carreira de Carlinhos Bala parece que despenca num poço sem fim. Pela quinta vez consecutiva na carreira, o atacante foi dispensado do clube que defendia. Ontem, o Santa Cruz confirmou que o atleta não faz parte dos planos do técnico Zé Teodoro para a disputa da Série C. Náutico e Atlético-GO (2010), e Sport e Fortaleza (2011), completam a lista de vexames consecutivos do jogador que, certamente, não voltará mais a jogar por um dos três clubes da capital. Além de Bala, inicialmente, deixaram o Tricolor o lateral direito Eduardo Arroz, dispensado, e o zagueiro Renato Camilo, emprestado às divisões de base do Grêmio. Hoje, mais dispensados deverão ser anunciados pela diretoria coral.


Sempre polêmico pelas declarações e atitudes, o retorno de Carlinhos Bala ao Santa Cruz após seis anos foi encarado como um recomeço pelo atleta. Um verdadeiro circo foi armado para a apresentação oficial de Carlinhos Bala em 16 de janeiro. Pedindo perdão pelos erros do passado e rodeado pelo presidente, dirigentes e até líder de torcida organizada, Bala foi apresentado e ganhou a “nova chance”. A verdade é que nem diretoria nem a maioria da torcida queriam o atacante no Arruda. O técnico Zé Teodoro, sim. Sozinho, o treinador peitou a todos e bancou o retorno do atleta. Bastaram pouco mais de quatro meses para o arrependimento inundar o comandante e transformar o recomeço em retrocesso.

O mesmo Zé Teodoro decretou a dispensa de Carlinhos Bala. “Estamos finalizando as conversas, mas tanto o Bala quanto o Arroz não fazem parte dos planos do técnico Zé Teodoro para a Série C”, disse o diretor de futebol, Constantino Júnior, o mesmo que foi contra o retorno de Carlinhos Bala. Extraoficialmente, comenta-se que o atacante ganhava mais do que o artilheiro do Estadual, Dênis Marques (que ganhava R$ 15 mil de salário mensal). 

RICARDO FERNANDES/DP/D.A PRESS
Nessa sua segunda passagem pelo Tricolor, Bala marcou dois gols em 11 jogos disputados. Passou boa parte do tempo no departamento médico e jamais conseguiu chegar a forma física ideal. Para coroar a sua melancólica despedida, na final contra o Sport, na Ilha , ele foi expulso sem sequer jogar. Do banco de reservas. Na saída para os vestiários foi agredido pelas costas por um torcedor rubro-negro que invadiu o campo e revidou. Para toda ação, há uma reação. Para Bala, ela veio em forma de dispensa e da certeza que o fim do poço uma hora vai chegar. Ou já chegou.



A trajetória de Bala

2005 - Destaque
Ficou nacionalmente conhecido neste ano, quando foi um dos protagonistas na boa campanha do Santa Cruz na temporada, conquistando o acesso à Série A do Brasileiro e o título do Campeonato Pernambucano. 

2006 - A saída
Na decisão por pênaltis da final do Campeonato Pernambucano (vencido pelo Sport), Carlinhos Bala fez gestos obscenos para a torcida do rival e foi expulso. No início da Série A, foi vendido para o Cruzeiro. Não conseguiu se firmar na equipe mineira e acabou voltando para o Recife.

2007 -A volta
Contratado pelo Sport, o jogador pediu desculpas publicamente pelo gesto obsceno do ano anterior. Foi artilheiro do Leão na temporada, destaque do Sport na Série A e permaneceu para o ano seguinte.

2008 - O auge
Viveu o ápice da carreira. Conquistou o título estadual e foi um dos protagonistas da conquista da Copa do Brasil. Fez um dos gols na decisão na Ilha do Retiro sobre o Corinthians e virou o principal símbolo daquela conquista. No fim do ano, o técnico Nelsinho Batista pediu o seu desligamento do clube.

2009 - No Náutico
Como em um passe de mágica, o “chororô” interpretado por Bala em ironia ao Náutico na final do Estadual do ano anterior foi esquecido e ele acertou com o Timbu. Logo virou camisa 10 e capitão da equipe. Proclamou-se “Rei de Pernambuco”. Acabou sendo rebaixado com o clube à Série B.

2010 - Fora dos Aflitos
Disputou o Estadual pelo Náutico no primeiro semestre e não foi bem. Em junho foi dispensado do Náutico por reclamar de salários atrasados. Segundo a diretoria, por motivos de indisciplina. 

Fora do Atlético-GO 

Em julho, chegou ao Atlético-GO, a sua segunda tentativa num clube brasileiro fora de Pernambuco. Foi pouco utilizado e acabou rescindindo seu contrato em outubro. Em dezembro, acertou a sua volta ao Sport.

2011 - Fora da Ilha
Jogou o Estadual pelo Leão e pouco lembrou o jogador aguerrido de 2008. Foi dispensado no meio da Série B. Em entrevista à TV Clube, chamou o então técnico do Sport, Mazola Júnior, de “treinador bosta”. Dias depois apareceu como grande contratação do Fortaleza para a Série C. Mais polêmica.

Fora do Fortaleza
Na Série C, se envolveu em mais uma polêmica. O Fortaleza precisava vencer o CRB por quatro gols de diferença para não ser rebaixado. Imagens mostraram Carlinhos pedindo para os jogadores do CRB deixarem o Fortaleza fazer mais um gol - o time estava vencendo por 3 a 0. Acabou dispensado do clube.

2012 - Fora do Arruda
A contragosto da torcida e da diretoria, voltou ao Santa Cruz sob um contrato de risco. Teve o seu retorno bancado pelo técnico Zé Teodoro. Passou praticamente todo o Estadual na reserva. Fez apenas dois gols em 11 jogos. Acabou dispensado pelo mesmo Zé Teodoro que o trouxe. Está agora sem clube. 

Valeu Bala, obrigado por tudo !

Nenhum comentário:

Postar um comentário